Programas Educativos 2018/2019

O Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos tem à sua disposição um conjunto diversificado de atividades, nomeadamente, oficinas no âmbito da arquitetura, das artes e do meio-ambiente, para todo o tipo de público: bebés, crianças, jovens, adultos, seniores e grupos com necessidades especiais. Descarregue aqui a brochura.

Apresentação do Serviço Educativo

Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos

Despertar a curiosidade e a criatividade, incentivar a fruição do espaço, suscitar interesses para alcançar e aprofundar o conhecimento, educar os sentidos (visão, audição, tato, olfato e paladar) e promover a reflexão e o debate são as propostas da programação do Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos.

O Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos é um espaço aberto à reflexão, ao diálogo, ao debate e à experimentação criativa no âmbito da educação e cultura. As abordagens interdisciplinares, lúdicas, construtivas e criativas integram valores de cidadania e desenvolvimento, nomeadamente, a importância da preservação do património material e imaterial enquanto identidade de um povo. O que é e como deve ser cuidado o património?
Neste espaço com um amplo e delicado jardim, desenvolvem-se diversas atividades lúdico-pedagógicas, designadamente, visitas, oficinas e projetos, tomando por referência o património cultural do Portugal dos Pequenitos em distintas áreas, nomeadamente, arquitetura, artes e meio ambiente. As atividades são dirigidas não só a escolas e crianças, mas também a famílias, jovens, adultos, seniores e pessoas com necessidades especiais.

Para este ano, o tema geral do projeto do Serviço Educativo dirigido às escolas é CASA-FUTURO.
Quais são os materiais — as suas propriedades, nomeadamente, organoléticas (cor, cheiro, sabor, brilho, textura) e origem (natural/sintética) — que encontramos nas construções antigas e modernas e a que requisitos deverão obedecer os materiais das construções do futuro? Quais serão as tendências de evolução da paisagem no futuro? As atividades do Serviço Educativo vão ajudar a dar resposta a estas e outras questões.

A equipa do Serviço Educativo espera contar com a participação da comunidade escolar e do público em geral ao longo do ano. Contacte-nos para obter mais informações.

A estrutura da programação das atividades do Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos está dividida em dois grupos: Público Escolar e Outros Públicos, que, por sua vez, estão divididos em subgrupos, aos quais estão afetas as atividades específicas. A saber:
— Público Escolar
Oficinas-visita para Grupos Escolares
Oficinas para Grupos Escolares
Oficinas para Bebés
Oficinas à Medida

— Outros Públicos
– Crianças e Famílias:
Oficinas nas Férias Escolares
Oficinas para Festas de Aniversário
Oficinas aos Fins de Semana e Feriados
Oficinas para Bebés

– Jovens, Adultos e Seniores:
Oficinas de Arquitetura e Artes para Grupos
Visitas Temáticas/ Viagens Culturais
– Grupos com Necessidades Especiais:
Oficinas
Visitas

As atividades do Serviço Educativo, nomeadamente, a Visita Livre, a Visita Guiada e as Oficinas, são complementares umas das outras. A conceção das mesmas é pensada como um todo, por forma a enriquecer a formação da criança/participante/visitante, podendo ser realizadas individualmente.
As visitas guiadas e as oficinas estão sujeitas a marcação prévia e são realizadas mediante disponibilidade.

Visitas
Visita Livre
O Portugal dos Pequenitos foi concebido a pensar essencialmente na Criança, sendo, no entanto, visitado e admirado por jovens e adultos de todas as idades.
Este parque-jardim integra réplicas miniaturais, reproduzidas com grande rigor de escala e de execução, de casas tradicionais e dos principais monumentos e referências arquitetónicas emblemáticas da história de Portugal, da sua cultura e influência no mundo. Mais do que um parque-jardim lúdico, é um espaço de fruição e conhecimento, um museu a céu aberto que convoca a curiosidade e cria a possibilidade de se saber mais sobre este património.
O parque-jardim encontra-se organizado em quatro grandes áreas temáticas, magistralmente interligadas. A área das Casas Tradicionais, a área de Coimbra, a de Portugal Monumental e a área dos Países de Expressão Portuguesa, da Índia e de Macau e das Regiões Autónomas Portuguesas.

Visita Guiada
A pensar no maior proveito que as crianças e jovens, nomeadamente, da educação pré-escolar e do ensino básico e secundário, possam colher de uma visita em grupo ao Portugal dos Pequenitos, temos disponível no site um pequeno guião que visa oferecer, a educadores e professores, informação de apoio à programação prévia de uma visita, orientando e fornecendo pistas para exploração dos seus riquíssimos recursos sobre a história de Portugal e da expansão ultramarina, sobre a identidade patrimonial e sociocultural de Portugal, dos países de expressão portuguesa, da Índia e de Macau.

Oficinas
A participação nas oficinas (oficina-visita e oficina) permite desenvolver a sensibilidade e a curiosidade; estimular o pensamento, pela experimentação; despertar a capacidade criadora, valorizando atitudes tais como: reparar, percecionar, sentir com os pés, as mãos, todo o corpo, ou seja, usando todos os sentidos. Por outro lado, proporciona encontros para desenvolver o exercício do diálogo, da partilha, da exposição (teórica) oral de saberes em torno das práticas; identificar, associar, estimular a curiosidade e adquirir conhecimentos através da experimentação e da observação pelo contacto direto com espaços e objetos que caracterizam esses espaços.
A conceção de oficinas implica a preparação de narrativas estimulantes que, além das áreas de arquitetura, artes e meio ambiente, pode envolver conteúdos disciplinares, nomeadamente língua portuguesa, história, geografia, etc., de modo a interessar os grupos envolvidos.
Cada oficina-visita realiza-se em vários momentos, sendo, num deles, o participante convidado a visitar o acervo artístico existente no Portugal dos Pequenitos que se relacione com o tema da oficina. Nos outros momentos, decorre o desenvolvimento das atividades na sala do Serviço Educativo ou em outro espaço coberto (interior) ou ao ar livre (exterior) do Portugal dos Pequenitos disponível e adequado à realização da atividade.
Todos estes momentos recebem orientação de artistas-educadores responsáveis pela conceção das respetivas oficinas. A oficina sem visita é realizada, integralmente, na sala do Serviço Educativo ou em outro espaço do Portugal dos Pequenitos nas mesmas condições previstas para a oficina-visita.

Público Escolar
– Oficinas-visita para Grupos Escolares
– Oficinas para Grupos Escolares
– Oficinas para Bebés
– Oficinas à Medida

Outros Públicos
Crianças e Famílias:
– Oficinas nas Férias Escolares
– Oficinas para Festas de Aniversário
– Oficinas aos Fins de Semana e Feriados
– Oficinas para Bebés

Jovens, Adultos e Seniores:
– Oficinas de Arquitetura e Artes para Grupos
– Visitas Temáticas/ Viagens Culturais
Grupos com Necessidades Especiais:
– Oficinas para Grupos com Necessidades Especiais

O Parque-jardim

Fernando Bissaya Barreto (1886–1974), médico-cirurgião, professor catedrático, filantropo, dedicou toda a sua vida a ajudar os mais carenciados, lançando, em toda a região centro do país, uma Obra Social de dimensão ímpar ao tempo, alargada aos campos da profilaxia e da saúde, da proteção e defesa da criança e da mulher, da educação e formação profissional.
No âmbito da sua ação em defesa da criança, Bissaya Barreto idealizou este parque-jardim, de características únicas, como extensão pedagógica e lúdica da Casa da Criança Rainha Santa Isabel (creche e jardim de infância), que, ainda hoje, aqui se mantém em funcionamento. O parque- jardim foi inaugurado a 8 de junho de 1940.
O arquiteto responsável pelo projeto foi Cassiano Branco, um dos maiores nomes da arquitetura moderna portuguesa. Antes de desenvolver o projeto do Portugal dos Pequenitos, o arquiteto Cassiano Branco fez um levantamento dos materiais e outras especificidades da arquitetura dos lugares que se previra representar. Além disso, procedeu a uma sistemática revisão dos projetos que executou antes da construção do parque-jardim, designadamente, dos pavilhões e casas.
Nos finais da década de 30 e inícios da de 40 do séc. xx, deu-se início à construção da primeira fase do Portugal dos Pequenitos, constituída pelo conjunto de casas regionais portuguesas, devidamente contextualizadas pelo tratamento da envolvente próxima, com pomares, hortas e jardins, a capela, a azenha, o pelourinho, etc. A segunda e terceira fases correspondem ao espaço ilustrativo dos principais monumentos do país e à representação etnográfica e monumental dos atuais países africanos de Língua Oficial Portuguesa, do Brasil, de Macau, da Índia e de Timor, respetivamente. Este espaço proporciona a todo o tipo de público, tanto crianças como adultos, um contacto com diversos aspetos culturais da etnografia portuguesa e dos países suprarreferidos, nomeadamente, mobiliário, traje e artesanato, tudo numa escala apropriada ao entretimento do visitante mais pequeno, como também do adulto, sendo ainda contempladas as diferentes tipologias arquitetónicas de Portugal.
O Portugal dos Pequenitos é um parque jardim representativo do Património Arquitetónico de Portugal, não só no que respeita aos distintos estilos arquitetónicos (românico, gótico, manuelino, etc.), como às diversas tipologias de construção, realizadas de acordo com os diferentes fatores geomorfológicos de cada região (nomeadamente, materiais locais, características do terreno, clima) e, ainda, a todo um conjunto de ofícios tradicionais evocados pelos moinhos de vento e de água, os currais, o forno comunitário e as salinas, entre outros. Por estes motivos, considera-se que o Portugal dos Pequenitos é, por excelência, um espaço de aprendizagem das artes e ofícios tradicionais, capaz de despertar a curiosidade e fomentar o conhecimento.
Por outro lado, a riqueza e a diversidade do património do Portugal dos Pequenitos constituem uma ferramenta acrescida para o ensino escolar. A partir do património arquitetónico do parque-jardim, construído e natural, é possível extrapolar para diversos temas curriculares. Por exemplo, o rigor posto na seleção dos materiais e das técnicas utilizadas na execução dos revestimentos dos edifícios do parque-jardim permite colocar várias questões e apoiar os professores/ educadores de infância na exploração de temas específicos das Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar e dos Programas Curriculares do Ensino Básico e Secundário. O Serviço Educativo é sensível às recentes orientações do Ministério da Educação relativamente ao projeto de autonomia e flexibilidade curricular.
O Portugal dos Pequenitos foi concebido como um local onde a criança aprendesse brincando e o adulto aprendesse observando. Integrados no espírito deste admirável espaço lúdico e pedagógico inserem-se as atividades do Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos. Para o efeito, foi pensada uma programação diversificada, que procura incentivar a criação de hábitos culturais.

Escolas, professores e educadores

Visitas para Grupos Escolares

Os temas das visitas possíveis de realizar no Portugal dos Pequenitos são vastos, dependem da idade dos alunos e do(s) objetivo(s) da visita, designadamente, cor, textura e escala dos pavilhões/casas e paisagem envolvente para os alunos mais novos; e o espaço, de Portugal e do resto do mundo, e o tempo, da pré história à atualidade, para os alunos mais velhos. As visitas podem ser organizadas e acompanhadas pelo professor que vem com os alunos (Visita Livre) ou pelo professor e pelo Serviço Educativo (Visita Guiada). Para o efeito, o Serviço Educativo disponibiliza informações sobre o património do parque-jardim.

Visita Livre

Duração: bilhete de entrada no parque jardim válido para todo o dia.
Acesso: 4,40 euros por participante.

Visita Guiada

Público-alvo: educação pré-escolar e ensino básico e secundário.
Duração: 30 minutos.
Acesso: 5 euros por participante (este valor engloba a visita livre ao parque-jardim); inscrição prévia.
Lotação: entre 15 alunos (mín.) e 30 alunos (máx.).

Oficinas para Grupos Escolares
O Serviço Educativo toma como ponto de partida o acervo artístico do Portugal dos Pequenitos, nomeadamente o património arquitetónico e etnográfico, para a criação de relações de proximidade e cooperação com as escolas. A sua programação, designadamente, as oficinas (Oficina e Oficina-visita), proporciona aos alunos a oportunidade de estabelecerem contacto com diversas técnicas e expressões artísticas e desenvolverem a sua criatividade em todas as propostas, incluindo as que surgem em função de temáticas dos programas escolares.
As tarefas a desenvolver no âmbito das Oficinas para Grupos Escolares poderão ser ajustadas aos alunos de educação especial que integrem estas turmas. Deste modo, as escolas com turmas nestas condições que pretendam frequentar as atividades do Serviço Educativo deverão informar o número de alunos de educação especial no ato de inscrição.

Oficina-Visita
Público-alvo: educação pré-escolar, ensino básico e secundário.
Duração: 1 hora e 30 minutos.
Funcionamento: quatro oficinas por dia: 10:00–11:30 | 11:30–13:00 | 14:00–15:30 | 15:30–17:00.
Acesso: 6,20 euros por participante (este valor engloba a inscrição na oficina e visita livre ao parque-jardim; no caso de se pretender participar numa oficina e efetuar uma visita guiada ao parque-jardim, o preço será de 6,80 euros); inscrição prévia até duas semanas antes da data pretendida.
Lotação: entre 15 alunos (mín.) e 30 alunos (máx.).

Oficina
Público-alvo: educação pré-escolar, ensino básico e secundário.
Duração: 1 hora.
Funcionamento: seis oficinas por dia:
10:00–11:00 | 11:00–12:00 | 12:00–13:00 | 14:00–15:00 | 15:00–16:00 | 16:00–17:00.
Acesso: 5,20 euros por participante (este valor engloba a inscrição na oficina e visita livre ao parque-jardim; no caso de se pretender participar numa oficina e efetuar uma visita guiada ao parque jardim, o preço será de 5,80 euros) para grupos iguais ou superiores a 60 crianças; 4,95 euros para escolas inscritas no Projeto

Criar com Escolas (até 21 de abril de 2019); e 5,55 euros se se pretender também efetuar uma visita guiada;
Inscrição prévia até duas semanas antes da data pretendida.
Lotação: entre 15 alunos (mín.) e 30 alunos (máx.). Gratuitidade no Portugal dos Pequenitos para Grupos Escolares: 1 adulto grátis por cada 10 alunos.
Preço de entrada de acompanhantes extra no Portugal dos Pequenitos: o 1.º adulto acompanhante adicional paga o valor de 5 euros. Os restantes adultos acompanhantes pagam o preço de tabela (10 euros).

Oficinas para Bebés
As oficinas para bebés destinam-se a bebés, a partir dos 8 meses, e crianças, até aos 3 anos, acompanhadas, pelo menos, por um adulto, nomeadamente, educador(a). Pretende-se com estas oficinas desenvolver jogos e atividades lúdicas de expressão plástica (pintura, modelação, colagens…) expressão corporal e verbal. De forma divertida, ao longo de 60 minutos, descobriremos as cores e sons, as estórias e o movimento, à medida que a imaginação se solta e se alicerça na cumplicidade entre grandes e pequeninos.
Público-alvo: bebés, a partir dos 8 meses, e crianças, até aos 3 anos.
Duração: 1 hora. Acesso: 12 euros por bebé/criança (este valor engloba a visita livre ao parque-jardim);
Inscrição prévia até duas semanas antes da data pretendida.
Lotação: entre 12 bebés/crianças (mín.) e 16 bebés/crianças (máx.).

Oficinas à Medida
Diga-nos o que pretende e o Serviço Educativo organiza.
Público-alvo: educação pré-escolar, ensino básico e secundário.
Duração: 1 hora e 30 minutos.
Funcionamento: quatro oficinas por dia: 10:00–11:30 | 11:30–13:00 | 14:00–15:30 | 15:30–17:00.
Acesso: 8,20 euros por participante (este valor engloba a inscrição na oficina e visita livre ao parque-jardim; no caso de se pretender participar numa oficina e efetuar uma visita guiada ao parque-jardim, o preço será de 8,80 euros);
Inscrição prévia até duas semanas antes da data pretendida.
Lotação: entre 15 alunos (mín.) e 30 alunos (máx.).

Projeto Criar Com Escolas
O Serviço Educativo desenvolveu o projeto Criar com Escolas no sentido de reforçar a articulação do Portugal dos Pequenitos com as escolas através de um trabalho contínuo, o qual prevê a realização de uma exposição coletiva, no final do ano letivo, e respetivo catálogo. O tema do trabalho a desenvolver no âmbito deste projeto é anual ou bianual e é concebido para ser realizado nas próprias escolas, de preferência, em articulação com diferentes disciplinas e em parceria com o Serviço Educativo. Neste contexto, é realizada formação creditada, orientada por especialistas na área educativa/cultural, a decorrer ao longo do ano letivo, dirigida a professores, educadores e outros formadores, para aprofundamento de temas e técnicas artísticas transversais aos do tema do referido projeto, assim como para a apresentação e discussão do Programa Educativo e recolha de depoimentos tendo em vista futuras programações. Por outro lado, foi concebido um conjunto de oficinas específicas, tendo em consideração os pressupostos do trabalho a desenvolver no âmbito do projeto Criar com Escolas.
Público-alvo: professores, educadores e alunos da educação pré-escolar e do ensino básico.
Acesso: inscrição prévia até ao dia 1 de março de 2019.
A inscrição no projeto é gratuita.
No projeto Criar com Escolas deste ano foi selecionado o tema CASA-FUTURO, que visa sensibilizar os participantes para a arquitetura/paisagem do passado e do presente, perspetivando como a mesma será em futuros mais ou menos longínquos, tendo em consideração a sustentabilidade ambiental, entre outros temas da atualidade.
O culminar do projeto, em parceria com as escolas, prevê a realização de uma exposição no Portugal dos Pequenitos, no final do ano letivo 2018/2019, cuja inauguração ocorrerá no dia 25 de maio, e que ficará em exibição ao público durante cerca de quatro meses. Na exposição, serão expostos os trabalhos realizados pelos alunos das escolas que participam no projeto, seja o produto final (objeto construído), seja o processo de investigação (Diário de Bordo) desenvolvido ao longo do trabalho.
As Escolas aderentes ao projeto Criar com Escolas poderão inscrever os alunos nas oficinas que abordarão o tema CASA-FUTURO, aprofundando conhecimentos úteis para a concretização do trabalho final, o qual integrará a referida exposição coletiva. As escolas inscritas no referido projeto usufruem de um preço especial nas oficinas. As tarefas a desenvolver nas oficinas a realizar no âmbito deste projeto poderão ser ajustadas aos alunos de educação especial que integrem as turmas das escolas aderentes ao projeto.

Formação para Professores
Os professores inscritos no projeto Criar com Escolas podem participar na formação realizada no âmbito deste projeto. A formação é creditada e a inscrição é gratuita.
Esta iniciativa propõe aprendizagens através de atividades educativas motivadoras, que desenvolvem conhecimento, sensibilidade, criatividade e valores de cidadania. É uma formação que introduz inovação na ação educativa.
Esta formação é constituída por dois módulos, de três horas cada:
MÓDULO I — CASA-FUTURO: Apresentação do projeto, seus objetivos e proposta de metodologia de desenvolvimento.
MÓDULO II — CASA-FUTURO: Aplicação prática.
Execução: Álvaro Domingues e Elvira Leite
Público-alvo: educadores do pré-escolar, professores do ensino básico e do ensino especial.
Acesso: Inscrição previa

Crianças e famílias

Oficinas aos Fins de Semana e Feriados

Oficinas de Funcionamento Contínuo
As Oficinas aos Fins de Semana e Feriados têm como objetivo proporcionar um convívio lúdico, através de atividades que envolvem referências à arte popular e outras, apresentando propostas que estimulem a imaginação e a criatividade da criança. Dependendo das idades, pretende-se que a criança, sozinha ou acompanhada por um familiar/adulto, em contacto com as obras expostas realize as suas próprias criações. As Oficinas aos Fins de Semana e Feriados têm funcionamento contínuo e permitem que o participante, sozinho ou em família, chegue a qualquer hora, dentro do horário indicado, concretize uma atividade criativa associada ao tema da oficina, de forma autónoma e/ou com o apoio de um artista-educador da equipa do Serviço Educativo que estará presente.
Público-alvo: crianças e famílias; crianças dos 3 aos 12 anos, quando acompanhadas por um adulto.
Funcionamento: as oficinas ocorrem em alguns fins de semana e feriados.
Acesso: entrada gratuita Lotação: 15 participantes (máx.); cada criança/família não deverá exceder 1 hora no desenvolvimento da atividade, para permitir a participação de outras crianças/ famílias.

Oficinas para Bebés

As Oficinas para Bebés ao fim de semana e feriados destinam-se a bebés, a partir dos 8 meses, e crianças, até aos 4 anos, acompanhadas, pelo menos, por um adulto. Pretende-se com estas oficinas desenvolver jogos e atividades lúdicas de expressão plástica (pintura, modelação, colagens…) expressão corporal e verbal. De forma divertida, ao longo de 60 minutos, descobriremos as cores e sons, as estórias e o movimento, à medida que a imaginação se solta e se alicerça na cumplicidade entre grandes e pequeninos.
Público-alvo: bebés, a partir dos 8 meses, crianças, até aos 4 anos, e famílias.
Duração: 1 hora.
Acesso: 8 euros por bebé/criança (este valor engloba a visita livre ao parque-jardim). Os adultos acompanhantes pagam o preço de tabela de entrada no parque-jardim de 10 euros; inscrição prévia.
Lotação: entre 8 bebés/crianças (mín.) e 12 bebés/crianças (máx.).

Oficinas nas Férias Escolares

As Oficinas nas Férias Escolares destinam-se a crianças que procuram ocupar o período de férias escolares, adquirindo conhecimentos através de práticas nas áreas da arquitetura e artes. Além de atividades essencialmente focalizadas na Arte Popular Portuguesa e na Arte Erudita, serão introduzidos outros conteúdos que entusiasmem e proporcionem motivação para as produções que resultarão em formas concebidas com liberdade criativa.
Público-alvo: Crianças dos 6 aos 12 anos.
Funcionamento: de segunda a sexta-feira, em período de férias escolares; duas oficinas por dia: 10:00–13:00 | 14:30–17:30.
Acolhimento: das 9:00 às 10:00 e das 17:30 às 18:00.
Almoço: das 13:00 às 14:30.
Acesso: 9 euros por participante; inscrição prévia até uma semana antes da realização da oficina. Lotação: entre 15 participantes (mín.) e 20 participantes (máx.).

Oficinas para Festas de Aniversário
O objetivo destas oficinas é oferecer a pais e educadores a possibilidade de proporcionarem a seus filhos e educandos um espaço apelativo onde possam celebrar o seu aniversário desenvolvendo um conjunto de atividades lúdicas de acordo com as idades, acompanhadas por artistas-educadores especializados.
Público-alvo: dos 3 aos 12 anos.
Duração: 3 horas.
Funcionamento: todos os dias da semana; duas oficinas por dia: 10:00–13:00 | 14:00–17:00.
Acesso: 9 euros por participante (no mínimo 18 participantes);
Inscrição prévia até uma semana antes da data pretendida. Gratuitidade: dois adultos acompanhantes.

Jovens, adultos e seniores

Oficinas de Arquitetura e Artes para Grupos
As Oficinas de Arquitetura e Artes são destinadas sobretudo a jovens, adultos e seniores, mas também a crianças a partir dos nove anos com interesse nestas áreas, em particular, a quem deseje desenvolver os seus conhecimentos com objetivos profissionais ou experimentais. As oficinas propostas de Cerâmica, Têxtil e Técnicas de impressão, entre outras, corresponderão a um nível suficientemente aberto que permita a evolução técnica e artística de qualquer tipo de participante.
Público-alvo: crianças, jovens, adultos e seniores.
Duração: 1 hora.
Acesso: 10,10 euros para crianças e seniores e 13,50 para adultos (este valor engloba a inscrição na oficina e visita livre ao parque-jardim).
Lotação: 20 participantes (mín.).

Visitas Temáticas/Viagens Culturais
As Visitas Temáticas/Viagens Culturais têm como objetivo dar a conhecer o Património Cultural de Portugal, material e imaterial, histórico e moderno. Nesta tipologia de oficina, o participante inicia a sua viagem no interior do Portugal dos Pequenitos, para contemplar o acervo artístico do parque-jardim que, de algum modo, estiver relacionado com o tema da viagem. Esta oficina desenvolve-se ao longo de um itinerário previamente estabelecido e é orientada por um especialista na área. Pretende-se que o participante descubra não só os aspetos físicos que caracterizam uma determinada região, como também as vivências locais.
Público-alvo: dos 9 aos 99 anos.
Duração: depende do itinerário da viagem.
Acesso: tarifário próprio (o valor das viagens depende dos itinerários); inscrição prévia até duas semanas antes da data pretendida.
Lotação: as visitas temáticas/viagens culturais realizam-se com um mínimo de 15 participantes.

Grupos com necessidades especiais

Oficinas

As Oficinas para Grupos com Necessidades Especiais têm como objetivo, por um lado, motivar o participante a realizar as suas próprias criações artísticas a partir do contacto com as técnicas utilizadas em diversas obras de arte. Por outro lado, pretende-se trabalhar a autoestima, desenvolvendo a autonomia e a capacidade de concretização. As propostas das tarefas a realizar são adequadas às características dos participantes. Este desafio só poderá realizar-se promovendo parcerias com instituições vocacionadas para o acompanhamento de pessoas com necessidades especiais, através da organização de programas contínuos, com periodicidade regular.
Duração: 1 hora.
Acesso: 6 euros por participante (este valor engloba a inscrição na oficina e visita livre ao parque-jardim);
Inscrição prévia até uma semana antes da realização da oficina; no caso de se pretender realizar uma visita livre ao parque-jardim, sem participar numa oficina, o preço será de 4,40 euros por participante.
Preço de entrada para acompanhantes de Grupos com Necessidades Especiais no Portugal dos Pequenitos: 5 euros.
Lotação: entre 8 participantes (mín.) e 10 participantes (máx.).

Visitas

Visitas guiadas em Língua Gestual Portuguesa (LGP)
Duração: 1 hora.
Acesso: 6 euros por participante (este valor engloba a inscrição na visita guiada e visita livre ao parque-jardim); inscrição prévia até uma semana antes da realização da visita guiada; no caso de se pretender realizar uma visita livre ao parque-jardim, sem participar numa visita guiada, o preço será de 4,40 euros por participante.
Preço de entrada para acompanhantes de Grupos com Necessidades Especiais no Portugal dos Pequenitos: 5 euros.
Lotação: entre 8 participantes (mín.) e 10 participantes (máx.).

Temas das oficinas

Sinopses:
A Casa
Ao caminharmos pelo Portugal do Pequenitos calma e livremente, a certa altura
— se estivermos com muita atenção
— vemos uma sombra de uma casa. Mas não se consegue perceber a que casa pertence. Será que falta ali alguma casa? De que tamanho será? E que forma terá? Construções a partir de sombras de objetos de interior e exterior.
Execução: Espaço Boa, Lda.

Da noite para o dia, a Casa… Crescia
Ninguém reparava, mas eu dizia: no futuro… vão viver nela! E acredita, avô, no futuro as cidades mudarão de nome. E Coimbra chamar-se-á Excentricidade ou Elasticidade? O avô diz que, às vezes, a minha casa pequenina-se. Outra vezes, diz que a casa foge. Ontem, disse que a viu lá em baixo no rio. Ao escurecer, eu sei que ela ensombrece! Por isso, tenho luzes coloridas que a agigantam. Ao acordar, ela estremece connosco a mexer. Queres ver? Olha! Ela pensa que a esquecem quando nos vamos embora.
Mas a minha casa-futuro está sempre comigo, na minha cabeça e aqui neste papel. E até voa! A propósito… viste a minha casa?
Execução: Melânia Ramos

A Metamorfose e o Barro
Nesta oficina vamos pensar no passado com olhos no futuro ao deixar-nos tocar pela magia do barro e, através das nossas mãos, do nosso próprio corpo, descobrimos a capacidade de o material se transformar e renovar criando novas formas, sofrendo várias metamorfoses. Ao dar forma e vida onde nada existia, ao transformarmos um pedaço de barro amorfo num animal, num objeto ou boneco, sentimos o prazer da descoberta, tornamo-nos seres criadores, mágicos, responsáveis do nosso próprio futuro.
Execução: Cláudia Pires

Formas Orgânicas (ou Têxtil Conceptual)
É uma oficina em que vamos investigar a organização estrutural e orgânica como ponto de partida para a criação de peças em têxtil que podem habitar uma casa. Iremos pensar a forma, entendida como figura ou modelo de inspiração, e como modo/maneira de fazer artesanal, através do contacto com a lã, enquanto matéria-prima e modelo orgânico. Conjugando diferentes sentidos, materializa-se em desafios de exploração da associação da lã, água e sabão, através da técnica de feltragem manual, para a criação de peças em têxtil a utilizar numa casa imaginada.
Execução: Fátima Miranda


A Casa Ecológica és Tu

Esta oficina apresenta uma visão diferente da casa do futuro. Nesta visão, cada um de nós é uma casa ecológica. Para além de apelar à responsabilidade ambiental de cada um, esta oficina explora várias formas de ser uma casa ecológica — uma casa sustentável em que reduzimos, reutilizamos e reciclamos. E que, como em qualquer outra casa, são feitas experiências. Nesta oficina é feita a experiência de transformação do óleo alimentar usado (um desperdício perigoso para o ambiente) em sabão líquido, uma prática simples que podemos implementar nas nossas casas ecológicas.
Execução: EcoXperience, Lda.

Nossa Casa, Casa Azul
Existem muitas casas, todas elas pequenitas… casas diferentes e ao mesmo tempo parecidas entre si. Descobrir a nossa casa, aquela que é ideal, à qual nunca fomos e a isso acrescentar o tom azul é o desafio proposto nesta oficina. Azul de uma técnica antiga, uma forma plástica e alternativa de “fotografar”, procurando projetar o futuro.
Execução: Nélia Zacarias

Casa Estranha
Construção de maquetes e desenho de plantas, cortes e alçados. A artista Joana Vasconcelos criou a peça “Chá das cinco” a partir de um bule de chá gigante.
A partir de peças de máquinas um pouco estranhas, vamos transformá-los em edifícios e construir uma nova maqueta do Portugal dos Pequenitos.
Execução: Talkie-Walkie

Pinturas com história
Património Arquitetónico Técnicas tradicionais de construção, pintura, desenho e construção de objetos. Antigamente as paredes das casas eram pintadas com tintas de cal e as carpintarias e serralharias com tintas de óleo. As tintas de diferentes cores que eram utilizadas para pintar os edifícios resultavam da adição e respetiva mistura de pigmentos com diferentes aglutinantes. Queres vir descobrir diferentes tipos de tinta no Portugal dos Pequenitos? Sabes qual é a proveniência dos pigmentos? O que são aglutinantes?
Nesta oficina vamos ajudar-te a descobrir estas respostas e ensinar-te a fazer tintas de diferentes cores, recorrendo a técnicas tradicionais, de forma a que possas definir uma paleta de cores para colorires alguns desenhos por ti realizados ou outro tipo de objetos.
Execução: Pedro Providência

Eu não sou do meu tamanho, mas do tamanho daquilo que vejo!
História de Portugal, Português e Expressões Artísticas, Expressão Dramática (escrita de texto dramático) e Expressão Plástica (criação de cenários com luz e de figurinos com modelagem de papel).
De repente, o mundo encolheu e, num instante, Portugal ficou mindinho! Tu, pequenito, consegues ir a todo o lado sozinho. Mas… quando entrares no teatro vais ver o teu tamanho aumentaaaaar!!! Que tamanho terás quando saíres do Portugal dos Pequenitos?
Execução: Melânia Ramos

Cerâmica no Portugal dos Pequenitos
Esta oficina vai despertar a curiosidade das crianças sobre as artes e ofícios tradicionais de Portugal, em particular da olaria. A partir da observação de objetos de cerâmica antigos, vamos explorar a criatividade das crianças desenvolvendo a técnica do rolinho para trabalhar o barro, designadamente, na produção de figurado com cenas de diferentes profissões do quotidiano rural.
Execução: Cláudia Pires

Mapeamento cromático
Feltragem manual com água e sabão, manipulação têxtil, criatividade, sentido estético, desenho, património imaterial português, arte, ciências/meio-ambiente.
Mapeamento cromático, é uma oficina, que conjuga os diferentes sentidos, e se materializa em desafios de exploração cromática e das potencialidades da associação de lã, água e sabão, através da técnica de feltragem manual. Vamos observar a palete de cores das edificações e transpor para a lã as nossas descobertas, criando pedaços de tecido para formar um painel cromático coletivo representativo das “temperaturas do parque”.
Execução: Fátima Miranda

Ilustração têxtil
Arte, criatividade, estimulação sensorial, manipulação têxtil, moldes, recortes e colagens.
Partindo da observação do parque, iremos recolher elementos gráficos com recurso ao desenho e pintura, que serão posteriormente trabalhados na linguagem das fibras. Inspirados pelo trabalho de artistas têxteis, vamos entrar no seu universo com criação de moldes, transferências de desenhos, recortes e colagens utilizando têxteis e fios.
Execução: Fátima Miranda

SOAPY: do óleo ao sabão
A oficina tem uma forte componente de consciencialização ambiental de forma a contribuir para o desenvolvimento sustentável através dos 3R´s (Reduzir, reutilizar e reciclar). Na parte prática, os participantes têm a possibilidade de transformar um desperdício perigoso para o ambiente (óleo alimentar usado) em sabão líquido perfumado.
Execução: EcoXperience, Lda.

Imagerie Ciano: Portugal dos Pequenitos em azul!
Fazer fotografia sem máquina fotográfica? Sim é possível! Nesta oficina pretende-se dar a conhecer às crianças um método de criação de imagens sem a utilização de câmara. Uma forma mais plástica e alternativa de “fotografar” em tom azul. Este processo alternativo da fotografia, foi inventada no séc. XIX, como técnica de impressão de imagens, estas obtém-se por contacto direto (fotograma).
Execução: Nélia Zacarias

Stop-motion: histórias passo a passo
Criação de um pequeno vídeo através da técnica do stop-motion. Os participantes são convidados a elaborarem uma pequena narrativa em torno do Portugal dos Pequenitos (com a criação de uma personagem). Posteriormente a história é capturada em fotografias e “animada” com software específico.
Execução: Nélia Zacarias

Os abraços das formas e das cores
Execução: Espaço Boa, Lda.

O carnaval dos animais
Execução: Espaço Boa, Lda.

Temas das visitas

Em construção.

Ficha Técnica

Programação|Coordenação: Pedro Providência Consultoria: Elvira Leite
Serviço Educativo: Pedro Providência, Elisabete Lopes e Luísa Côrte-Real
Orientação: A cargo de uma equipa de profissionais especializados em diferentes áreas disciplinares: Cláudia Pires, EcoXperience, Lda, Espaço Boa, Lda, Fátima Miranda, Pedro Providência, Talkie-Walkie, Lda, Nélia Zacarias.

Formadores:

Cláudia Pires (Coimbra, 1968)
Frequência da Licenciatura Animação Socioeducativa, 2009/2011 — Escola Superior de Educação de Coimbra. Concluiu o Curso Técnico de Cerâmica no ano letivo 1991/1992 na Arca — ETAC. Formadora desde 1998 nas diversas áreas de animação e artes plásticas, tendo trabalhado com o Centro de Paralisia de Coimbra, APPACDM, Arcil, Câmara Municipal de Coimbra, Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Cearte, Caritas, Inovinter, Caspae, entre outros. Coordenadora de artes do Centro cultural D. Dinis da Universidade de Coimbra de 2011 até 2013, estando presentemente a trabalhar no núcleo de apoio e aconselhamento. Coordenadora de artes do Espaço Partícula desde 2014 até à presente data. Artista-educadora — Portugal dos Pequenitos.

Cristina Camargo (Lisboa, 1953)
Artista plástica, licenciada em Artes Plásticas — Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, e Design Industrial pela Escola de Artes e Design de Matosinhos. Desenvolve projetos criativos com públicos diversificados, como escolas de todos os graus de ensino, universidades seniores, hospitais, Museu de Serralves, Museu do Douro, Câmaras Municipais, entre outros. Pertence desde 1992 ao grupo Kunstefelder, formado por artistas portugueses, holandeses e alemães com encontros e simpósios em ambiente rural. É coordenadora e responsável das atividades do Espaço BOA — Bombarda Oficina de Artes — Porto, nas áreas de artes plásticas, escrita criativa, expressão corporal, teatro, dança contemporânea, entre outras para públicos a partir dos 6 meses.

Elvira Leite (Porto, 1936)
Pintora, professora no ensino público, formadora, artista-educadora, investigadora no campo da educação artística e metodologia de trabalho por projetos. Como pintora, trabalha em ateliê próprio e está representada em coleções nacionais. Como artista-educadora, concebe espaços de prática criativa para crianças, adolescentes, jovens e adultos. É programadora de projetos, envolvendo a arte, dirigidos a diferentes públicos, de diferentes idades e diferentes contextos socioculturais. Consultora da UNESCO, exercendo a atividade de Conselheira na área de “Educação Artística” no âmbito do Projeto BAD/UNESCO, 707/CVI/10-PRESE, Cabo Verde. Fornece orientação científica e metodológica e elaborou comentários técnicos sobre conteúdos curriculares para o Ministério da Educação apresentados em 1993/1994. Consultora sobre arte e educação em várias instituições culturais, nomeadamente no Serviço Educativo da Fundação de Serralves, de 1999 a 2014, e no Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos desde 2017.

Fátima Miranda (Castelo Branco, 1971)
Fátima Miranda vive em Coimbra. Psicóloga Clínica de formação, trabalhou 13 anos num programa de prevenção do trabalho infantil, um projeto em que se valorizava o saber fazer e as experiências plásticas como fatores de motivação e aprendizagem, o que a inspirou a realizar formações ao nível artístico e artesanal.
Desde 2013, tem vindo a desenvolver uma atividade artística regular, ao nível da criação e manipulação têxtil, e a aprofundar as competências formativas e pedagógicas, orientando ateliês e formação para vários públicos.

Melânia Ramos (Coimbra, 1976)
Licenciou-se em Estudos Teatrais, obteve mestrado em Dramaturgia e Encenação na Universidade de Évora/Teatro Meridional de Lisboa. Desenvolve a sua atividade profissional como Diretora Artística do Manga Theatre (Lisboa/Bristol) e como artista-educadora convidada pelo Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos. Foi Técnica de Luz no Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) da Universidade de Coimbra, fez Assistência de Encenação e de Produção, criou Projetos de Iluminação Cénica para espetáculos díspares de dança, música e teatro. Deu formação em Luminotecnia, Teatro e Expressão Dramática para crianças e adultos na Escola de Artes do Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz, no ensino pré-escolar e no 1.º e 2.º ciclos.

Nélia Zacarias (Enxames, Fundão, 1985)
É licenciada em Design Multimédia, na Universidade da Beira Interior. Em 2011, prestou as provas de mestrado em Criação Artística Contemporânea, na Universidade de Aveiro. Em 2013, trabalhou na Associação Corpodehoje, estrutura residente à época, e no CAE da Figueira da Foz como assistente de produção. Em 2015, participou no projeto Pequenos Artistas, na execução de oficinas vocacionadas para crianças, na área das artes visuais. Desde 2017, colabora com o Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos na realização de oficinas de cianotipia. Atualmente, promove o projeto Imagina — oficinas criativas, da sua autoria. Desenvolve oficinas de cianotipia, stop-motion e artes plásticas e, ao mesmo tempo, colabora com associações culturais, quer na concretização de oficinas, quer no apoio à produção.

Pedro Providência (Coimbra, 1969)
Coordenador do Serviço Educativo do Portugal dos Pequenitos desde 2017. Foi Professor Auxiliar e Diretor na Escola Universitária de Artes de Coimbra, do curso de arquitetura. Em 2014, apresentou provas de doutoramento em Arquitetura, na Universidade de Coimbra — especialidade em Arquitetura e Construção, com o tema de estudo: “Bases para um Plano de Ação da Salvaguarda dos Revestimentos e Acabamentos Tradicionais em Centros Históricos — o caso de estudo do Plano de Cor do Centro Histórico de Coimbra”.

Empresas participantes:

EcoXperience
É uma spinoff da Universidade de Coimbra que desde 2016 procura sensibilizar e educar as crianças para a preservação do meio ambiente através da reciclagem de resíduos, em particular a reciclagem do óleo alimentar usado.
Uma equipa jovem e dinâmica, composta por elementos com formação superior multidisciplinar e com vasta experiência em lecionar oficinas interativas para crianças.

Talkie-Walkie
A Talkie-Walkie apropria-se do conceito “Educação pela Arte” para acrescentar a Educação pela Arquitetura. Art&Arch Education é um meio de conceber e implementar um conjunto de ações de curta e longa duração que permite aos participantes debater e tornarem-se cidadãos mais conscientes dos territórios e lugares onde vivem e atuam. Os métodos de transmissão dos conceitos são adaptados aos diferentes públicos com os quais se desenham projetos, uns mais lúdicos, outros mais teóricos, uns mais de deriva, outros mais cartografados. Nos percursos, realizam-se mapas mentais, cadernos de viagens e respigam-se objetos deixados para trás. Nas oficinas, constroem-se novas espacialidades e desconstroem-se as existentes. Não se brinca aos arquitetos só porque sim, pois as casas não têm todas as mesmas formas e nem todos vivemos de igual modo. A Arte continuará sempre presente nos conteúdos da Talkie-Walkie, pois é libertadora e para todas as infâncias

Mecenas e patrocinadores

Em construção.

Contactos e Informações Úteis

Horário de Marcações: De 2.ª a 6.ª, das 9:30 às 13:00 e das 14:00 às 17:30
Tel.: 239 801170/239 441715
e-mail: servicoeducativo@fbb.pt site: http://www.fbb.pt/pp/servico-educativo
facebook: https://www.facebook.com/SEducativoPP

Observações
— Por motivos imprevistos, os programas podem estar sujeitos a alterações de calendário e/ou horário. — Algumas atividades exigem a inscrição de um número mínimo de participantes.
— Todas as informações sobre as atividades do Serviço Educativo serão regularmente publicadas, nomeadamente em formato de boletim informativo enviado através de correio eletrónico, pelo que quem desejar manter-se informado deve enviar-nos o endereço de e-mail.

Informações a facultar para inscrição nas atividades
— Objetivos e tipo de atividade pretendida (Visita Livre, Visita Guiada, Oficinas para Grupos Escolares, Oficinas em Férias Escolares, Oficinas aos Fins de Semana e Feriados, Oficinas de Arquitetura e Artes para Grupos, Visitas Temáticas/Viagens Culturais, Oficinas para Grupos com Necessidades Especiais, Oficinas para Festas de Aniversário);
— Para o público escolar: número de alunos total e por turma, nível escolar e número de acompanhantes (professores/ auxiliares). Os professores das escolas com turmas que integrem alunos de educação especial deverão informar sobre o número de alunos nestas condições para que as atividades previstas para estas oficinas sejam adaptadas a esses alunos;
— Para outros públicos: idades; número de participantes; tema da oficina; data e horário previsto para a atividade (visita livre, visita guiada e/ou oficina).