O Festival internacional Les Siestes Électroniques Portugal teve a sua primeira edição no final de Agosto. Durante 3 dias, o jardim da Casa das Artes Bissaya Barreto, em Coimbra, recebeu o evento de música electrónica exploratória ao ar livre num encontro com o futuro aberto a todos.

 

O Les Siestes Électroniques tem uma longa história, com início em França em 2001. Desde então já foi apresentado em Paris, Toulouse, Berlim, Riga, Cairo, Haia, Kyoto,  Montreal, Brazzaville, Abu Dhabi, Buenos Aires, Amesterdão, Seul, Leipzig , Milão, e Conacri, contando já com mais de 21 edições.

 

Este festival com origem em Toulouse foi pioneiro ao trazer música electrónica para as tardes, num ambiente de abertura para todas as idades, criando em jardins de todo o mundo espaços inéditos de partilha de experiências que começam com a música. São lugares onde cabem as atividades para as crianças, lado a lado com a dança, artistas a compor peças sonoras inéditas de coleções etnomusicais locais – tudo convida a uma abertura de espírito e confirma audácia que se vai renovando.

 

A programação artística desta edição portuguesa assinada por Samuel Aubert e Alexandre Lemos tem uma marca forte de música electrónica, suscitando a curiosidade pela excelência dos seus músicos e pela criação de um ambiente festivo e descontraído.

 

Esta primeira edição portuguesa do Les Siestes recebeu artistas de todo o mundo, incluindo o sueco Varg, Kate NV, diretamente da Rússia, o Giant Swan de Bristol, mas não só Zaltan veio de Paris, o norte-americano M.E.S.H. de Berlim, e o luso-angolano DJ Nigga Fox de Lisboa, ou o João Pais Filipe do Porto, com um contingente local assegurado pelos The Lions, e Ghost Hunt.

 

Uma programação a que diariamente se somava um palco de abertura na entrada da responsabilidade de uma muito jovem estação de rádio, a Rádio Baixa, que com menos de um ano veio ocupar um lugar sólido na nova vaga de estações de rádio difundidas pela internet e com programas realizados ao vivo. A mesma estação que transmitiu os concertos, alguns de artistas que nunca tinham autorizado a difusão e vídeos das suas atuações, e que foi possível ver em direto por milhares de pessoas e que agora estão, nos casos em que não é possível manter online, disponíveis numa instalação audiovisual na Casa das Artes Bissaya Barreto, acessível aos visitantes.

 

O festival teve lugar no jardim da Casa das Artes Bissaya Barreto, uma localização privilegiada no centro da cidade de Coimbra, na Avenida Sá da Bandeira, que une a baixa à Praça da Républica, eixo central da vida da cidade. Um espaço único, com uma sala de espetáculos ao ar livre que proporciona condições acústicas e de conforto extraordinárias com um relvado por chão e o céu azul de Agosto por tecto.

 

O Les Siestes Électroniques Portugal foi um acontecimento inédito, distinguindo-se pela sua raridade e singularidade entre outros festivais e superando todas as expectativas. Levaram ao jardim da Casa das Artes um número de visitantes recorde para o espaço ou para qualquer evento do género na cidade, com mais de 1200 pessoas a passarem por estas tardes de música no jardim durante o fim‐de‐semana, esgotando completamente o espaço.