• COLÉGIO BISSAYA BARRETO
  • Colégio Bissaya Barreto
  • Colégio Bissaya Barreto
  • Colégio Bissaya Barreto
  • INSTITUTO SUPERIOR BISSAYA BARRETO
  • INSTITUTO SUPERIOR BISSAYA BARRETO
  • INSTITUTO SUPERIOR BISSAYA BARRETO
  • INSTITUTO SUPERIOR BISSAYA BARRETO
  • Casa da Criança Maria Granado (Coimbra)
  • Casa da Criança Rainha Santa Isabel
  • Casa da Criança Maria Resgate Salazar (Luso)
  • Casa da Criança São Julião (Figueira da Foz)
  • Casa da Criança Joaquina Barreto Rosa (Arganil)
  • Casa da Criança Maria Rita Patrocinio da Costa (Monte Redondo)
  • Casa da Criança Leonor Anjos Diniz (Carapinheira)
Queremos enfileirar ao lado de todos esses obreiros da educação nova, educação construtiva, que procura criar homens preparados para o mundo de hoje, dotados de decisão, de vontade forte, de iniciativa segura e de um grande respeito pela dignidade humana e de amor pelo seu semelhante.

Bissaya Barreto

Colégio Bissaya Barreto

Em funcionamento desde 2003, este colégio privado chama a si o lema da própria Fundação Bissaya Barreto e sobre ele edifica o seu projeto educativo, o seu código de valores, a sua muito forte identidade e missão. “Façamos felizes as crianças da nossa terra” é a alavanca estruturante que impulsiona o saber fazer e o fazer bem desta escola aberta, orientada para as metas de aprendizagem, para a formação cívica, integral e plural do indivíduo, numa lógica de grande e fundamental articulação com a Família e com a Comunidade.

À sua localização verdadeiramente privilegiada somam-se diferenciadas, pela qualidade de bem-estar que proporcionam, a dimensão dos espaços cobertos e ao ar livre, as modernas e bem equipadas instalações educativas e desportivas (uma piscina coberta de 25 metros e um amplo pavilhão polidesportivo), as facilidades de estacionamento, os acessos rápidos, a diversificada gama de ofertas extracurriculares. Para além de uma Academia de Línguas, também aberta a alunos externos, o Desporto (do futsal ao râguebi, do badmington à natação), os Clubes (europeu, de robótica, de fotografia, de ambiente, teatro, música, ballet, coro, xadrez) contam-se entre outras ofertas formativas.

À oferta formativa do 1º, 2º e 3ºciclos do ensino básico são aditados cursos profissionais de nível 4, com equivalência ao 12º ano.

Sem contrato de associação, o Colégio é gerido integralmente pela Fundação Bissaya Barreto. Com uma propina variável entre os 204 e os 298 euros, a Fundação dispõe, para alunos de famílias mais carenciadas, de uma bolsa de apoio assumida como medida social de apoio à criança e à família.

 

Diretor – Dr. Pedro Sacadura

Quinta dos Plátanos
Apartado 7049 – Bencanta
3046-901 Coimbra
T.: 239 800 430
F.: 239 800 442
Email: cbb@fbb.pt
S.: www.cbbonline.pt

Cursos Profissionais Nível IV

Cursos Profissionais – O que são?

São um dos percursos do nível secundário de educação, com uma forte ligação às empresas e ao mercado de trabalho.

A quem se destinam?

Jovens entre os 15 e os 20 anos (excepcionalmente até aos 25 anos), com o 9º ano de escolaridade completo ou equivalente.

Como funcionam?

Os Cursos Profissionais têm a duração de 3 anos letivos (10º, 11º e 12º).

Ao longo dos 3 anos têm uma ligação às empresas através de períodos de formação em contexto de trabalho (estágio).

No final os alunos desenvolvem um projeto, a “Prova de Aptidão Profissional”, para obter, aquando da sua conclusão, um diploma de nível secundário de educação e um certificado de qualificação profissional de nível 4 (Quadro Nacional de Qualificações).

Onde funcionam?

Os Cursos Profissionais funcionam nas instalações do Instituto Bissaya Barreto.

Apoios

Bolsa de material escolar; Bolsa de Profissionalização; Subsídio de Alimentação; Subsídio de Transporte; Seguro.
Isenção de propina.

 

Ficha de Inscrição

Faça o download da ficha de pré – inscrição.

Cursos

 

Curso de Técnico de Termalismo

Curso de Técnico de Receção

Instituto Superior Bissaya Barreto

Um forte legado histórico

A criação do Instituto Superior Bissaya Barreto insere-se num contexto vivamente associado ao forte dinamismo imprimido pelo seu Patrono à área social e, em particular, aos domínios da cultura, da educação e da proteção à infância. Em Coimbra, Bissaya Barreto assume a iniciativa de criar, em 1936, um grupo de trabalho que se viria a ocupar do Ninho dos Pequenitos e de outras obras de índole congénere. Contudo, perante a constatação de que os conhecimentos médico-sociais orientadores dessa ação se mostravam lacunares, o Professor apoia a iniciativa de criar, em 1937, a Escola Normal Social de Coimbra (que mais tarde se designaria por Instituto Superior de Serviço Social de Coimbra), dois anos após a criação da Escola de Serviço Social de Lisboa, contribuindo decisivamente para o desenvolvimento da profissão de Assistente Social.

Com o intuito de dar continuidade e expandir a obra do Patrono, a Fundação Bissaya Barreto toma a iniciativa de criar, em 1993, uma nova escola com o seu nome, reconhecida como instituição de ensino superior – o Instituto Superior Bissaya Barreto.

Um permanente compromisso com princípios de exigência, rigor e modernidade

Na senda do pensamento e ação de Bissaya Barreto, o ISBB adquiriu o estatuto de uma comunidade educativa comprometida com a formação humanista, científica, técnica e cultural dos seus estudantes, com o exercício da cidadania, do pensamento flexível, da responsabilidade e da ética académica, profissional e institucional, e com o desenvolvimento da investigação, da cultura e da prestação de serviços.

Uma formação orientada para as competências reclamadas por novos públicos

O ISBB elege um cumprimento responsável e rigoroso das funções científico–pedagógica, de investigação, de prestação de serviços e de articulação com o exterior que lhe são inerentes, a par da existência de um corpo docente com elevado nível de qualificação e competência, maioritariamente constituído por professores com o grau de doutor.

Ainda que, enquanto instituição de educação terciária, esteja necessariamente vocacionado para a concessão de graus académicos (licenciatura e mestrado), a interiorização do conceito de “educação ao longo da vida” continua a imprimir ao Instituto a obrigação de oferecer soluções de formação para diplomados, quadros médios e superiores de empresas e serviços, bem como para outros interessados, quer por iniciativa própria, quer como resposta a solicitações de “formação à medida”, assentes numa lógica que articula trabalho e aprendizagem, e valorizando, assim, a complementaridade exigida pelos modernos paradigmas educativos.

Licenciaturas: Direito e Solicitadoria

Formação Avançada:

– Mestrados – Gerontologia Social; Direito/especialização em Ciências Jurídico – Forenses; Criminologia.

– Pós-Graduações – MBA em Cultural Heritage Management; MBA em Gestão da Segurança em Serviços de Saúde/Geriátricos e de Apoio Domiciliário; IMBA em Gestão Internacional de Recursos Humanos.

– Pós-Graduações não conferentes de grau académico – Direito do Desporto; Direito do Terceiro Setor; Gestão de Projetos; Gestão Farmacêutica; Gestão/especialização em Recursos Humanos; Gestão/especialização em Organizações não Lucrativas; Gestão de Obras Públicas e Privadas, Gestão e Administração Escolar; Supervisão Pedagógica; Inspeção e Avaliação das Organizações Educativas; Musicoterapia.

Formação Especializada: Supervisão Pedagógica, Inspeção e Avaliação das Organizações Educativas, Gestão e Administração Escolar, Educação Especial no Domínio Cognitivo e Motor.

Projetos de Internacionalização: No âmbito do Programa Erasmus, assumem crescente dimensão a mobilidade de estudantes para estudos, a mobilidade de docentes em missão de ensino e a mobilidade de pessoal docente e não docente para formação.

Instalações de excelência

Edificado numa zona calma e de singular beleza e dimensão, o Instituto Superior Bissaya Barreto integra o Campus do Conhecimento e da Cidadania, em Bencanta (Coimbra), oferecendo um ambiente de trabalho privilegiado, com instalações modernas e construídas de raiz para a função que exerce, adequadamente equipadas e climatizadas, onde se encontram amplos e confortáveis espaços de ensino, estudo e circulação, bem como desportivos e de lazer.

Com a possibilidade de serem utilizados pela comunidade do Instituto, bem como por outros públicos, existe, ainda, um auditório com capacidade para 326 pessoas, complementado por um amplo “foyer” e uma sala para exposições/”workshops”/…. E, bem assim, de piscina coberta de 200 m2, um pavilhão polidesportivo de igual dimensão e um parque de estacionamento para cerca de 1000 viaturas.

 

Diretora: Prof.ª Doutora Maria Luísa Ferreira Cabral dos Santos Veiga

Campus do Conhecimento e da Cidadania
Quinta dos Plátanos – Bencanta
Apartado 7049
3041-801 Coimbra
T.: 239 800450
F.: 239 800480
Email: isbb@isbb.pt
S.: www.isbb.pt

 

FAÇAMOS FELIZES AS CRIANÇAS DA NOSSA TERRA

Bissaya Barreto

Infância

CONCEITO E IDENTIDADE. Na vanguarda da Educação de Infância.

A história de vida do Prof. Bissaya Barreto é de inteira dedicação a causas em prol do bem estar das populações mais carenciadas, especialmente das crianças. Conhecedor profundo das más condições de vida das pessoas e males que assolavam a população na sua época desenvolveu uma incomensurável OBRA DE PROTEÇÃO À GRÁVIDA E À CRIANÇA destinada fundamentalmente à proteção sanitária e social das mulheres grávidas, das mães e dos filhos na 1ª e 2ª infância. Nasceram assim numerosas infra-estruturas de saúde, educativas e sociais, entre as quais as Casas da Criança. Nasceria sobretudo, um enorme interesse pela criança, pela dignificação e valorização das suas condições de vida e desenvolvimento.

“Fala-se do século da criança, mas não se pensa profundamente na criança”. As crianças mais desfavorecidas, os filhos das mulheres que trabalhavam no campo ou nas fábricas ficavam entregues a si próprios, em desastrosas condições de higiene, fechadas em casa ou na rua sujeitos a toda a espécie de agressão e doenças. Portugal era “um cemitério de crianças” (Bissaya Barreto, in Uma Obra Social, 1970, p. 159).

Entre 1936 e 1970 edifica por toda a região centro, 26 Casas da Criança, constituídas por Creche, Jardim de Infância e Consultório Médico sendo nelas prestados, gratuitamente, todos os cuidados básicos, desde os educativos, à alimentação e à vigilância médica.

Em todas as Casas que construiu considerou indispensável criar um ambiente apropriado pois reconhecia a influência do ambiente no desenvolvimento da criança.

A atividade da criança deve desenvolver-se, tanto quanto possível, ao ar livre, ao sol, em plena natureza; será uma actividade quase inteiramente corporal, manual, prática, que levará à criação de uma consciência espontânea que, por sua vez, levará à consciência reflectida.”
(op.cit., p.173)

Reagindo às críticas de quantos consideravam tudo aquilo um luxo Bissaya Barreto respondia que “representa apenas higiene, facilidade de conservação, bom gosto, que há-de gravar-se no subconsciente destas crianças” (op.cit., p. 165). Afirmou diversas vezes, publicamente, que “As Casas da Criança pretendem ser também uma reação contra certos métodos de orientações pedagógicas… (op.cit, p.152).

“A pedagogia das nossas Casas da Criança, é, na verdade, um grito contra a pedagogia tradicionalista, pedagogia livresca, pedagogia da memória, que vive do livro e pelo livro como se, no dizer de Montaigne, não valesse mais um espírito bem formado do que uma cabeça bem cheia! Interessa-nos mais formar o espírito da criança do que mobilá-lo; e por isso, a tarefa fundamental das nossas Casas da Criança está em desenvolver na criança o espírito de iniciativa, o espírito de confiança em si, a noção da responsabilidade e da solidariedade. (op.cit., p.170)

Admiravelmente esclarecido sobre as correntes pedagógicas mais contemporâneas, soube colher as bases em que ainda hoje assentam as modernas filosofias da educação. Foram sobretudo Froebel, Pestalozi e Maria Montessori, que inspiraram os princípios orientadores da ação educativa nas suas Casas da Criança.
Reconhecendo a importância dos primeiros anos de vida e da qualidade dos cuidados prestados à criança definiu o lema que iria orientar as Casas da Criança: “Façamos felizes as crianças da nossa terra” (op.cit., p.162).

“E com particular interesse se cultiva a necessidade que a criança tem de brincar, de jogar, pois, na autorizada opinião de Froebel, é pelo jogo que a criança se desenvolve e se manifesta inteiramente…” (op.cit., p.151). “Certos jogos criam o espírito de equipa.” (op.cit., p.163) e “…diremos até serem o mais valioso instrumento da sua formação…” (op.cit., p.172).

“Ali as crianças aprendem brincando e brincam aprendendo…O ensino parte do real, da coisa, do concreto e não do abstrato…” (op.cit.,p.152). ” Aproveitando o espírito de curiosidade e de imitação da criança, aproveitamos a sua intuição, e à custa de jogos, brincadeiras, de riscos e rabiscos, de construções, etc., vamos cultivando as suas qualidades, a sua sensibilidade e a sua inteligência.” (op.cit.,182), “…não terá que decorar, não terá de estar em silêncio, não terá preocupações, antes pelo contrário, rirá, falará, saltará…” (op.cit., p.183).

Bissaya Barreto tinha a exata noção de que o papel do educador na nova escola exigia uma formação pedagógica e científica muito diferente da do educador tradicional: “Interessar as crianças, estimulá-las, levá-las a reflectir, animá-las sempre e nunca as humilhar, mesmo quando erram, procurar dar ás crianças uma educação tão completa e equilibrada quanto possível e fazer da escola o lugar mais atraente, mais alegre e mais encantador.” (op.cit.,p. 184).

“Cada criança representa um caso e um caso que está em plena evolução.” Por isso, “A atitude a tomar e o método a adoptar vão variando de criança para criança e, para cada criança vão mudando através do tempo.” (op.cit.,p. 189).

Um profundo respeito pela Criança, um enorme empenho no seu bem estar físico e psicológico, uma pedagogia ativa em que a criança pode explorar livremente os materiais e uma disciplina não autoritária mas com determinados limites, um adulto atento que apoia os impulsos criadores da criança, um ambiente saudável e atraente que colmata as carências sociais e económicas, são aspetos fundamentais que marcam o pensamento e a ação de Bissaya Barreto.

À Fundação Bissaya Barreto cabe e honra prosseguir a Obra deste Homem de conhecimento e generosidade sem limites e com uma grandeza de alma que beneficiou gerações de portugueses.

As Casas da Criança

Atualmente a Fundação Bissaya Barreto mantém em funcionamento sete Casas da Criança, quatro legadas pelo patrono e três construídas posteriormente.

As Casas da Criança são estabelecimentos de educação de infância com respostas sociais e educativas de Creche (0 aos 3 anos) e Jardim de Infância (3 aos 5 anos) e apoiam diariamente, no seu conjunto, cerca de 700 crianças. Estão abertas 10 a 11 horas por dia e encerram para férias dos seus colaboradores durante o mês de Agosto.

Num quadro de continuidade da Obra Social iniciada pelo patrono, a Fundação continua a destinar prioritariamente as Casas da Criança a crianças de famílias em situação de maior vulnerabilidade socioeconómica cumprindo, para o efeito, o estabelecido nos acordos de cooperação celebrados como Instituto de Segurança Social IP e com o Ministério da Educação.

A equipa técnica é constituída por 28 educadoras de infância, 42 ajudantes de ação educativa e ainda 15 colaboradores com funções auxiliares.

Condições de Admissão

O período de inscrições decorre de 2 a 15 de Maio.

Documentos necessários

Pedido de admissão devidamente preenchido;
Fotocópia do cartão de cidadão dos Pais/ Encarregados de educação (ou do BI e cartão de contribuinte)
Fotocópia do boletim de nascimento da criança;
Fotocópia do cartão de cidadão da criança (ou NISS);
Cópia de sentença homologatória da atribuição do poder paternal nas situações de separação de facto ou certidão de nascimento da criança nos casos em que, não obstante a separação de facto, o poder paternal seja exercido conjuntamente;

Documentos destinados ao cálculo da comparticipação familiar

Fotocópia da última declaração de IRS e da nota de liquidação correspondente;
Declaração do Instituto de Emprego caso seja desempregado e fotocópia do último recibo do subsídio de desemprego caso esteja a receber;
Fotocópia do último recibo da renda de casa ou da última prestação para aquisição de habitação própria, caso tenha contraído um empréstimo;
Os agregados familiares que beneficiem do “Rendimento Social de Inserção” deverão entregar declaração comprovativa;
Se algum dos membros do agregado familiar sofrer de doença crónica deverão ser apresentados os recibos da farmácia correspondentes aos últimos 3 meses, bem como declaração médica comprovativa da doença;
Fotocópia de passe de transporte público, dos últimos 3 meses, caso algum membro do agregado familiar utilize, no seu dia a dia, esse tipo de transporte
Desejando, os Pais/Encarregados de Educação podem não apresentar os documentos necessários para cálculo da comparticipação familiar admitindo assim a comparticipação familiar máxima.

 

Responsável Educação de Infância: Dr.ª Lúcia Santos

Área de Educação de Infância
Bencanta
Apartado 7049
3046-901 COIMBRA
T: 239 800 400 | F: 239 800 410
E: luciasantos@fbb.pt

Casa da Criança Rainha Santa Isabel

A Casa da Criança Rainha Santa Isabel foi a primeira das muitas Casas da Criança que o Prof. Bissaya Barreto viria a construir. Concluída em 1939 e inaugurada a 12 de Julho de 1940, revelava já muitas das preocupações educativas do seu fundador, cuja actualidade é de realçar. Na época, fascinava a alegria das cores, o refeitório pitoresco e sedutor com mesas feitas de mosaicos pintados representando tod|as as espécies de insectos, de crustáceos e moluscos, a fauna e a flora e os peixes que se repetiam nos bancos e nos copos das crianças.

Maior fascínio causava as instalações sanitárias com mobiliário adequado ao tamanho das crianças ou a preocupação de colocar todas as tomadas eléctricas a uma altura a que as crianças não chegassem. Nada disto nos surpreende nos dias de hoje mas, se pensarmos que era assim em 1940, talvez haja razão para alguma surpresa.

Neste particular Bissaya Barreto iria mais longe e construiria, para estas crianças, aquele que se tornou o parque lúdico-pedagógico mais visitado do nosso país e único no género – o Portugal dos Pequenitos. Conceptualiza-o para dar resposta a preocupações educativas, nomeadamente as da formação do sentido estético e do conhecimento da história do seu país. Trata-se, por isso, de uma Casa da Criança com um enquadramento muito especial que influencia, de forma definitiva, as suas atividades educativas. Muitos dos projetos vividos com as crianças, senão todos, relacionam-se intimamente com este espaço, nascendo dele e desenrolando-se nele.

É, efetivamente, um espaço que proporciona inúmeras possibilidades de exploração com as crianças. Desde a vivência de episódios da História de Portugal, às nossas tradições, como a Queima das Fitas que todos os anos as crianças “finalistas” festejam na sua Universidade em miniatura, ou ao Património Monumental que existe ali representado estimulando a visita aos monumentos verdadeiros. Tudo pode servir como motivação para um passeio, uma história, um projecto.

Nas palavras de Cassiano Branco ” O Portugal dos Pequenitos é uma biblioteca para as crianças, para ser lida com todos os sentidos”. Ontem como hoje, continua a servir de inspiração, a proporcionar alegria e divertimento, motivo para aprender para todas as crianças, mas, muito particularmente, para aquelas que frequentam a Casa da Criança Rainha Santa Isabel.

 

Diretora: Dr.ª Paula Gamboa

Contactos: Portugal dos Pequenitos
R. António Augusto Aguiar
3040 256 Coimbra
T:239 441059  | F: 239 800 410
Email: cccoimbra@fbb.pt

 

Casa da Criança Joaquina Barreto Rosa

A Casa da Criança Joaquina Barreto Rosa, em Arganil, entrou em funcionamento em 1950. A esta Casa, Bissaya Barreto daria o nome de sua mãe como forma de homenagem. Em agosto de 2005, a Fundação Bissaya Barreto procedeu a obras de recuperação e requalificação dotando-a de modernas infraestruturas que lhe permitirão enfrentar pelo menos mais meio século de serviço à comunidade.

Diretora: Dr.ª Cristina Branco

Contactos: Bairro do Prazo
3300-017 Arganil
T: 235 208 269    |  F: 239 800 410
Email: ccarganil@fbb.pt

 

 

Casa da Criança Maria do Resgate Salazar

A Casa da Criança Maria do Resgate Salazar, no Luso (Mealhada), foi fundada em 4 de setembro de 1949. A 11 de julho de 2005, reabriu, totalmente recuperada e preparada para enfrentar uma nova fase da sua existência e prosseguir a sua missão de continuar a “fazer felizes as crianças da nossa terra”.

Diretora: Dr.ª Carla Teixeira

Rua Dr. Lúcio P. Abranches
3050 Luso
T: 231 930 668  |   F: 239 800 410
Email: ccluso@fbb.pt

 

 

 

Casa da Criança São Julião

A Casa da Criança S. Julião, na Figueira da Foz, foi inaugurada em 1993. Foi a primeira Casa da Criança a ser edificada pela Fundação Bissaya Barreto após a morte do patrono. É uma construção em tudo semelhante às tradicionais Casas da Criança, tendo no entanto dois módulos, que lhe permitem aumentar significativamente a capacidade de acolhimento.

Diretora: Dr.ª Conceição Baptista

Av. Dr. Manuel Gaspar Lemos
3080-184 Figueira da Foz
T: 233 429 175 | F: 239 800 410
Email:ccfigueira@fbb.pt

 

 

Casa da Criança Maria Rita do Patrocínio Costa

O edifício atual da Casa da Criança Maria Rita do Patrocínio Costa, em Monte Redondo (Leiria), entrou em funcionamento no dia 3 de setembro de 2003.

É no entanto mais recuada no tempo a história e actividade desta Casa da Criança. O actual estabelecimento veio substituir as primitivas instalações em edifício construído, em 1904, pelo Professor da Universidade de Coimbra, Dr. Luís Pereira da Costa, para sua residência particular. Conhecedor e admirador da obra social de Bissaya Barreto, legou-lhe os seus bens em testamento com o fim expresso de se criar um Instituto, de utilidade local, que protegesse e socorresse as crianças necessitadas do concelho. Após sua morte, em 1940, a sua residência passou a chamar-se, em homenagem a sua mãe, Instituto D. Maria Rita do Patrocínio Costa – Casa de Educação e Trabalho.
Foi inicialmente gerido por freiras da Congregação S. José de Cluny, funcionando como internato e externato para raparigas até 1975.

Três anos mais tarde, assumindo a sua gestão, a Fundação Bissaya Barreto reabre-o depois de readaptado a Creche e Jardim de Infância, com o nome de Casa da Criança Maria Rita do Patrocínio Costa. Em 31 de Julho de 2003, a Casa da Criança na residência do Dr. Luís Pereira da Costa encerrou definitivamente as suas portas e transferiu-se para edifício construído de raiz, segundo a linha arquitectónica das demais Casas da Criança, a poucos metros da sua localização inicial.

Diretora: Dr.ª Sónia Lousada

Rua Dr. Luís Pereira Costa
2425-617 Monte Redondo
T: 244 684 830 |   F: 239 800 410
Email: ccredondo@fbb.pt

 

 

Casa da Criança Maria Leonor Anjos Diniz

A Casa da Criança Maria Leonor Anjos Diniz, construída pela Fundação Bissaya Barreto na vila de Carapinheira do Campo (Montemor-o-Velho), foi inaugurada no dia 30 de setembro de 2002. O evento contou com a presença da Sra. Dona Maria Alice Anjos Diniz, que gentilmente cedeu o terreno onde a Casa da Criança foi construída, concretizando o desejo expresso por sua mãe, Dona Maria Leonor Anjos Diniz.

Diretora: Dr.ª Cecília Mendes

Bolêta
3140-074 Carapinheira
T: 239 621 023   |   F: 239 800 410
Email: cccarapinheira@fbb.pt

 

 

Casa da Criança Maria Granado

Construída pela Fundação Bissaya Barreto para dar continuidade de resposta às solicitações e carências verificadas, a Casa da Criança Maria Granado, sita em Bencanta (Coimbra), entrou em funcionamento, a 5 de Setembro de 2002. Tinha então capacidade para 127 utentes, nas respostas sociais e educativas de creche e jardim-de-infância.

A qualidade das infra-estruturas aliada à qualidade do atendimento prestado às crianças e às suas famílias permitiu que, três anos mais tarde fossem criadas condições de duplicação da sua capacidade de oferta. A 1 de Setembro de 2005 a Casa da Criança reabriu com capacidade para 220 crianças, 70 no serviço de Creche e 150 no serviço de jardim-de-infância.

Para tanto procedeu-se à adaptação de mais um edifício do antigo Instituto de Surdos ligado ao anterior por elegante solução arquitetónica concedendo a todo o espaço coberto e envolvente um ambiente atrativo, confortável e funcional.

Esta Casa da Criança merece também destaque por se inserir, ainda que com autonomia física, no complexo maior que integra o Colégio Bissaya Barreto (1.º e 2.º ciclos do ensino básico). Neste contexto, a Fundação garante possível a educação de infância como primeira etapa de um projeto de educação e formação ao longo da vida, solidamente sustentado.

Diretora: Dr.ª Margarida Baptista

Quinta dos Plátanos
Apartado 7049, Bencanta
3046-901 Coimbra
T: 239 800 440   |  F: 239 800 410
Email: ccbencanta@fbb.pt