"De vez em quando, a floresta produz uma árvore mais alta. Os genes humanos geram um Homem maior. A Humanidade capricha num grande coração."

António de Almeida Santos,
em homenagem nacional ao Professor Bissaya Barreto, Coimbra, 1997.

Fernando Bissaya Barreto

Fernando Baeta Bissaya Barreto Rosa nasceu a 29 de outubro de 1886, em Castanheira de Pêra (distrito de Leiria). Foi o segundo de quatros filhos do casal, Albino Inácio Rosa, natural de Avelar, concelho de Ansião e Joaquina da Conceição, natural de Castanheira de Pera: Sofia, Aura e Berta todos nascidos em Castanheira de Pera.

Eminente catedrático de Medicina da Universidade de Coimbra, médico cirurgião, humanista e filantropo, foi uma das personalidades com maior poder de realização de que o centro do país pôde beneficiar, que certamente mais marcou os destinos da cidade de Coimbra afirmando-se, pela extraordinária e inovadora Obra Social que edificou, uma referência maior da história da assistência pública e da medicina social em Portugal.

Faleceu, em Lisboa, a 16 de setembro de 1974 e foi sepultado em Castanheira de Pêra. Por vontade testamentária fez herdeira universal de todos os seus bens a Fundação Bissaya Barreto, instituição que criou e a que presidiu durante os primeiros 16 anos da sua existência.

 

Percurso Académico e Profissional

1903

Matricula-se na Universidade de Coimbra, simultaneamente nas Faculdades de Filosofia e de Matemática.

1909

Apesar de, no ano letivo de 1906/1907, ter optado pelo curso de Medicina, conclui o bacharelato em Filosofia com 18 valores.

1911

Termina o bacharelato em Medicina com 19 valores.
Em Dezembro toma posse no cargo de 2º assistente provisório da Faculdade de Medicina de Coimbra.

1912

Conclui o 4º ano do Curso do Magistério Secundário, na recém-criada Faculdade de Letras de Coimbra.

1914

Nomeação oficial como professor do Liceu de Coimbra, lugar em que não chega a tomar posse.

1915

No âmbito das provas de concurso a um lugar de assistente definitivo da Faculdade de Medicina de Coimbra, apresenta-se a doutoramento com a dissertação O Sol em Cirurgia.

1916

Em março é nomeado Professor Extraordinário da Faculdade de Medicina.
Assume as funções de Diretor de Clínica Terapêutica e Técnica Operatória, dos Hospitais da Universidade de Coimbra.

1918

Em julho é nomeado Professor Ordinário da Faculdade de Medicina.

1937

Integra o Conselho de Administração da União Elétrica Portuguesa.

1940

Inaugura o Grande Hotel das Termas do Luso, projeto que encomenda ao arquiteto Cassiano Branco.

1942

É nomeado Professor Catedrático, de Clínica Cirúrgica, da Faculdade de Medicina.

1944

Com outros accionistas da Lusitânia – Companhia Portuguesa de Pesca S.A., na Figueira da Foz, cria nesta cidade os Estaleiros Navais do Mondego assumindo, durante 30 anos, a presidência do Conselho de Administração.

1956

Ano da jubilação como professor catedrático da Universidade de Coimbra.

1958

Institui, em Coimbra, a Fundação Bissaya Barreto para garantir a expansão e continuidade da extensa Obra Social a que dedicara toda uma vida.

 

Ver FotoBiografia

 

Percurso Ideológico e Político

1904

Integra, em Coimbra, o Grupo do Livre Pensamento.

1905

Eleito para a Direção da Associação Académica de Coimbra.

1906

Funda e integra a 1ª Direção do Centro Académico Republicano, com Carlos Amaro, Carlos Olavo, Alberto Feio de Azevedo, António Granjo e Américo de Castro.
Funda e administra, com Alberto F. de Azevedo, o jornal republicano “Pátria”.

1907

Integra o movimento republicano, de reação estudantil (Os Intransigentes),a favor da reforma universitária, que aciona a greve académica.

1911

Adere, em Março, à Maçonaria integrando a Loja A Revolta, de Coimbra.
É eleito deputado, pelo Círculo da Figueira da Foz, à Assembleia Nacional Constituinte de 1911, participando, em 19 de Julho, na 1ª sessão que decretaria a abolição da monarquia e o estabelecimento de um governo republicano e democrático. Exercerá, ao lado de António José de Almeida, o cargo de deputado parlamentar, pelo Partido Republicano Evolucionista, até 1915.

1913

Apresenta o seu pedido de quite da Maçonaria.

1914

A 4 de Julho discursa na sua terra natal, por ocasião da tomada de posse da comissão instaladora do concelho de Castanheira de Pêra.

1919

Integra o Partido Republicano Liberal.

1922

Concorre à Câmara Municipal de Coimbra liderando uma lista de coligação entre liberais e católicos e é eleito presidente do Senado Municipal para o triénio 1923-1926.

1927

Assume a presidência da Junta Distrital de Coimbra (mais tarde Junta da Província da Beira Litoral / Junta Distrital de Coimbra), cargo que exerce até 1974.

1931

Adere à União Nacional.
Assume a presidência do Conselho de Administração da Sociedade Água do Luso, cargo que ocupa até 1959.

1961

É nomeado Procurador à Câmara Corporativa função que exerce durante 9 anos, nas VIII e IX Legislaturas.

 

Ver FotoBiografia

"No Portugal do seu tempo, onde a miséria ainda só tinha por precaríssima resposta o supérfluo, ou seja a esmola, e onde a pobreza permanecia ainda como fazendo parte da ordem natural das coisas, ele [Bissaya Barreto] foi a Segurança Social e o Estado-Providência que não havia."

António de Almeida Santos,
em homenagem ao Professor Bissaya Barreto, Coimbra, 1997.

A Obra Social

Quer no vasto campo da assistência medicina social (luta antituberculosa, antileprosa, antisezonática, antivenérea, e assistência psiquiátrica), quer na Obra de dimensão ímpar e inovadora de proteção à grávida e defesa da criança, que implementou, resulta expressivo o poder de realização e o legado de Bissaya Barreto em Portugal:

Sanatórios anti-tuberculose (Coimbra; Figueira da Foz)
Preventórios (Penacova; Macieira de Coimbra)
Hospitais Psiquiátricos (Sobral Cid e do Lorvão)
Colónia Agrícola Psiquiátrica
Leprosaria Rovisco Pais (Tocha)
Creche/Preventório para filhos de leprosos
Centro de Reabilitação para ex-leprosos (Espariz)
Hospital Geral Central  (Coimbra)
Hospital Pediátrico de Celas (Coimbra)
Instituto Materno Infantil (Coimbra)
Maternidade “Casa da Mãe” (Figueira da Foz)
Centro de Neurocirurgia (Coimbra)
Centro Hospitalar  de Coimbra
Instituto de Surdos Mudos (Bencanta, Coimbra)
Instituto de Cegos
25  Casas da Criança (rede de estabelecimentos de ensino pré-escolar, de concepção modelar e inovadora, alargada a todos os concelhos da Beira, dinamizada sob a divisa “Façamos felizes as crianças da nossa terra”)
Parque temático “Portugal dos Pequenitos” (Coimbra)
Colónias de Férias (Figueira da Foz, Vila Pouca da Beira)
Bairros Sociais (Loreto, em Coimbra)
Escola de Enfermagem Bissaya Barreto
Escola Normal Social
Escola de Enfermeiras Puericultoras
Escola Profissional de Agricultura, Artes e Ofícios (Semide)
Casas de Educação e Trabalho (Sever do Vouga, Monte Redondo, Cantanhede, Travanca de Lagos)
Dispensários, Brigadas móveis, Postos rurais
Aeródromo de Coimbra (Aeródromo Municipal Bissaya Barreto)
Criação da Obra de Assistência Materno-Infantil Bissaya Barreto
Criação da Fundação Bissaya Barreto

 

Ver FotoBiografia

Homenagens e Distinções Públicas

EM VIDA:

1919

A 21 de outubro recebe do Governo da República a Medalha de Serviços Distintos.

1956

A 23 de outubro é agraciado pelo Presidente da República com a Grã-Cruz da Ordem de Benemerência e, a 2 de Dezembro, pelo Conselho Provincial da Beira que, numa cerimónia de homenagem na Câmara Municipal de Coimbra, lhe atribui a Medalha de Mérito Relevante.

1963

A 27 de abril é agraciado pelo Presidente da República com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo (Grão Mestre das Ordens Portuguesas).

1967

A 8 de dezembro recebe do Ministro da Saúde e Assistência a Medalha de Serviços Distintos (ouro).

 

PÓSTUMAS:

1997

Homenagem Nacional a Bissaya Barreto, realizada em Coimbra em 11 de outubro, no decurso da qual é erigida estátua em sua memória defronte ao Portugal dos Pequenitos.

 

Ver Intervenções. Homenagem Nacional ao Prof. Doutor Bissaya Barreto